Por que a pobreza e o sofrimento?

Bem-aventurados os misericordiosos. – O Senhor Jesus disse: “Bem-aventurados os misericordiosos, porque eles alcançarão misericórdia”. Nunca houve tempo em que fosse maior a necessidade do exercício da misericórdia do que hoje. Ao redor de todos nós estão os pobres, os sofredores, os aflitos, os tristes, os que estão prestes a perecer.

Os que têm adquirido riquezas, adquiriram-nas pela aplicação dos talentos que lhes foram dados por Deus; mas esses talentos que lhes foram dados por Deus; mas esses talentos para a conquista de bens foram-lhes dados a fim de que pudessem aliviar os que estão na pobreza. Esses dons foram concedidos aos homens por Aquele que faz que o Seu Sol brilhe e Sua chuva caia sobre todos, justos e injustos, para que, pela produtividade da terra, tenham abundante provisão para todas as suas necessidades. Os campos têm sido abençoados por Deus, e em Sua bondade fez “provisão para os necessitados”. – Signs of the Times, 13 de julho de 1892.

Deus Não Deseja o Sofrimento e a Miséria. – Muitos há que se queixam de Deus por estar o mundo tão cheio de necessitados e sofredores, mas Deus jamais desejou que existissem o sofrimento e a miséria. Nunca foi de Sua vontade que uma pessoa tivesse abundância de luxos na vida enquanto os filhos de outros clamassem por pão. O Senhor é um Deus de benevolência. – Testimonies, vol. 6, pág. 273.

Deus fez dos homens Seus mordomos, e não deve ser feito responsável pelos sofrimentos, miséria, desamparo e necessidades da humanidade. O Senhor fez ampla provisão para todos. Deu a milhares de homens grandes suprimentos com que aliviar as necessidades de seus semelhantes; mas aqueles a quem Deus fez mordomos não tem resistido ao teste, pois têm falhado em socorrer os sofredores e necessitados.

Quando homens que têm sido grandemente abençoados pelo Céu com grande riqueza deixam de executar o desígnio de Deus, e não socorrem os pobres e oprimidos, o Senhor é ofendido, e certamente os visitará. Eles não tem escusas por reter o próximo o auxílio que Deus pôs em seu poder prodigalizar; e Deus é desonrado, Seu caráter mistificado por Satanás, e Ele é representado como um duro juiz que faz com que venha o sofrimento sobre os seres que criou. Esta falsa representação do caráter de Deus é feita aparecer como verdade, e assim, pela tentação do inimigo, o coração dos homens é endurecido contra Deus. Satanás lança sobre Deus todo o mal que ele próprio induziu os homens a praticarem por não dar de seus meios aos sofredores. Ele atribuiu a Deus seus próprios característicos. – Review and Herald, 26 de julho de 1894.

Nenhum Sofrimento ou Miséria Precisaria Existir. – Se os homens cumprissem o seu dever como fiéis mordomos dos bens de Deus, nenhum clamor haveria por pão, nenhum sofredor em penúria, nenhum desagasalhado em necessidade. É a infidelidade de homens que gera o estado de sofrimento em que está mergulhada a humanidade. Se aqueles a quem Deus fez mordomos tão-somente utilizassem os bens do seu Senhor no propósito para que lhes foram entregues, este estado de sofrimento não existiria. O Senhor prova os homens dando-lhes abundância de bens, tal como provou o rico da parábola. Se nos mostrarmos infiéis na justiça de Mamom, quem nos confiará as verdadeiras riquezas? Somente os que resistiram à prova na Terra, os que foram encontrados fiéis, os que obedeceram as palavras do Senhor na prática da misericórdia, na utilização dos seus recursos para o avançamento do reino de Deus – somente esses ouvirão dos lábios do Mestre: “Bem está, servo bom e fiel.” – Ibidem.

Alguns Ricos – Alguns Pobres. – A razão por Deus ter permitido que alguns membros da família humana sejam tão ricos e outros tão pobres será sempre um mistério para os homens até a eternidade, a menos que entrem em correta relação com Deus e ponham em prática o Seu  plano em vez de agirem com base em suas próprias ideias egoístas. – Testemunhos Para Ministros, pág. 280.

Para Encorajar na Prática do Amor e da Misericórdia. – Na providência de Deus, os acontecimentos têm sido ordenados de maneira que sempre tenhamos os pobres conosco, a fim de que sejam, no coração humano, um constante exercício dos atributos do amor e da misericórdia. O homem deve cultivar a bondade e compaixão de Cristo; não deve distanciar-se dos tristes, dos aflitos, dos necessitados e angustiados. – Signs of the Times, 13 de junho de 1892.

Para Desenvolver no Homem Caráter Semelhante ao de Deus – Ao passo que o mundo necessita simpatia, orações e assistência do povo de Deus, ao passo que precisa ver a Cristo na vida de Seus seguidores, o povo de Deus se acha em igual necessidade de ocasiões de exercer simpatia, de dar eficácia a suas orações e desenvolver neles um caráter segundo o modelo divino.

É para proporcionar essas oportunidades que Deus colocou entre nós os pobres, os desafortunados, os doentes e sofredores. São o legado de Cristo a Sua igreja, e devem ser cuidados como Ele o faria. Assim tira Deus a escória e purifica o ouro, dando-nos aquela cultura de coração e de caráter que nos é necessária.

O Senhor poderia levar avante Sua obra sem nossa cooperação. Não depende de nós quanto a dinheiro, tempo ou trabalho. Mas a igreja é muito preciosa a Seus olhos. É o tesouro que encerra Suas jóias, o redil que Lhe abriga as ovelhas, e anela vê-la sem mácula nem ruga ou coisa semelhante. Anseia por ela com inexprimível amor. Eis porque nos tem dado oportunidades de trabalhar para Ele, e aceita-nos os serviços como testemunhos de amor e lealdade. – Testemunhos Seletos, vol. 2, pág. 499.

Para que Possamos Compreender a Misericórdia de Deus. –  Tanto o homem pobre como o rico é objeto do especial cuidado e atenção de Deus. Afastai a pobreza e não teremos meios de compreender a misericórdia e amor de Deus, nem de conhecer o compassível e amorável Pai celestial. Carta 83, 1902.

Deus nos Dá Para que Possamos Dar aos Outros. –  Deus nos comunica Suas bênçãos a fim de que as possamos transmitir a outros. Quando Lhe pedimos o pão de cada dia, Ele olha ao nosso coração a ver se o repartiremos com os mais necessitados que nós. Quando oramos: “Ó Deus, tem misericórdia de mim, pecador” (Lc 18:13), observa a ver se manifestaremos compaixão àqueles com quem nos associamos. Isto é a prova de nossa ligação com Deus, que sejamos misericordiosos assim como nosso Pai no Céu o é. – Testemunhos Seletos, vol. 2, pág. 521.

 O Reter Diminui o Crescimento Espiritual – Nada subtrai a espiritualidade da alma com mais presteza em cuidado personalista e egoísta. Os que são indulgentes consigo mesmos e negligenciam cuidar da alma e do corpo daqueles por quem Cristo deu a vida, não estão comendo o pão da vida ou bebendo a água da fonte da salvação. Estão ressequidos e desvitalizados como a árvore que não produz fruto. São anões espirituais, que consomem seus meios consigo próprios; mas “tudo o que o homem semear, isso também ceifará”. Gál. 6:7. – Review and Herald, 15 de janeiro de 1895.

É porque os ricos negligenciam fazer pelos pobres a obra que Deus lhes indicou, que eles se tornam orgulhosos, mais autossuficientes, mais indulgentes consigo mesmos e de coração endurecido. Afastam de si os pobres simplesmente porque são pobres, e isto dá a estes ocasião de se tornarem invejosos e ciumentos. Muitos se tornam amargos, impregnados de ódio para com os que têm tudo enquanto eles nada têm.

Deus pesa as ações, e todos os que têm sido infiéis em sua mordomia, que têm deixado de remediar os males que estava em seu poder remediar, serão de nenhuma estima nas cortes do Céu. Os que são indiferentes às necessidades dos desvalidos serão considerados mordomos infiéis, sendo registrados como inimigos de Deus e do homem. Os que se servem mal dos meios que Deus lhes confiou para que ajudassem aqueles mesmos que necessitam de ajuda, mostram com isto não ter nenhuma relação com Cristo, pois deixam de manifestar a simpatia de Cristo por aqueles que são menos afortunados que eles. – Review and Herald, 10 de dezembro de 1895.

Se os Ricos Andarem nos Passos de Cristo – Os ricos são mordomos de Deus, e se andarem nos passos de Cristo, mantendo vida piedosa e humilde, tornar-se-ão mediante a transformação do caráter, mansos e humildes de coração. Compreenderão que suas posses são apenas tesouros emprestados, e sentirão que lhes foi confiado um sagrado depósito para ajudarem ao necessitado e sofredor em lugar de Cristo. Esta tarefa dar-lhes-á recompensa em talentos e tesouros acumulados junto ao trono de Deus. Assim podem os ricos alcançar um sucesso espiritual na vida, como fiéis mordomos dos bens de Deus. – Manuscrito 22, 1898.

Sofrimento – Um Meio de Aperfeiçoar o Caráter – As palavras do Salvador contêm também uma mensagem de conforto para os que sofrem aflição ou privação. Nossas tristezas não brotam da terra. Deus “não aflige nem entristece de bom grado os filhos dos homens”. Lm. 3:33. Quando permite que nos sobrevenham provações e aflições é “para nosso proveito, para sermos participantes da Sua santidade”. Hb 12:10. Se recebida, com fé, a provação que parece tão amarga e difícil de suportar provar-se-á uma bênção. O golpe cruel que desfaz as alegrias tornar-se-á o meio de fazer-nos volver os olhos para o Céu. Quantos há que nunca teriam conhecido Jesus se a tristeza os não houvesse levado a buscar dEle conforto!

As provações da vida são obreiras de Deus para remover de nosso caráter impurezas e arestas. Penoso é o processo de cortar, desbastar, aparelhar, lustrar, polir; é molesto estar, por força, sob a ação da pedra de polimento. Mas a pedra é depois apresentada pronta para ocupar seu lugar no templo celestial. O Mestre não efetua trabalho assim cuidadoso e completo com material imprestável. Só as Suas pedras preciosas são polidas, como colunas de um palácio.

O Senhor trabalhará por todos os que nEle puseram sua confiança. Preciosas vitórias serão alcançadas pelos fiéis, inestimáveis lições aprendidas e realizadas valiosas experiências. – O Maior Discurso de Cristo, págs. 23 e 24.

 Aflições e Calamidades Não Indicam Desfavor de Deus – “E, passando Jesus, viu um homem cego de nascença. E os Seus discípulos Lhe perguntaram, dizendo: Rabi, quem pecou, este ou seus pais, para que nascesse cego? Jesus respondeu: Nem ele pecou, nem seus pais; mas foi para que se manifestasse nele as obras de Deus…” João 9:1-3

Geralmente, acreditavam os judeus que o pecado é punido nesta vida. Toda enfermidade era considerada como o castigo de qualquer mau procedimento, fosse da própria pessoa, fosse de seus pais. É verdade que todo sofrimento é resultado da transgressão da lei divina, mas esta verdade fora pervertida. Satanás, o autor do pecado e de todas as suas consequências, levara os homens a considerarem a doença e a morte como procedentes de Deus – como castigos arbitrariamente infligidos por causa do pecado. Daí, aquele sobre quem caíra grande aflição ou calamidade, sofria além disso o ser olhado como grande pecador…

Deus dera uma lição destinada a evitar isso. A história de Jó mostrara que o sofrimento é infligido por Satanás, mas Deus predomina sobre ele para fins misericordiosos. Mas Israel não entendera a lição. O mesmo erro pelo qual Deus reprovara os amigos de Jó, repetiu-se nos judeus em sua rejeição de Cristo.

A crença dos judeus a respeito da relação existente entre o pecado e o sofrimento, partilhavam-na os discípulos de Cristo. Procurando corrigir-lhes o erro, não explicou a causa da aflição do homem, mas disse-lhes qual seria o resultado. Em virtude da mesma, manifestar-se-iam as obras de Deus. “Enquanto estou no mundo”, disse Ele, “sou a luz do mundo.” João 9:5. Havendo então untado os olhos do cego, mandou-o lavar-se no tanque de Siloé e foi restaurada a vista do homem. Assim respondeu Jesus, de maneira prática, à pergunta dos discípulos, como costumava fazer com as que Lhe eram dirigidas por curiosidade. Os discípulos não eram chamados a discutir o fato de quem tinha ou não tinha pecado, mas a entender o poder e a misericórdia de Deus em dar vista ao cego. – O Desejado de Todas as Nações, págs. 470 e 471.

Cristo Deve Ser Visto e Ouvido por Nosso Intermédio- É desígnio de Deus que os enfermos, os desafortunados, os possessos de espíritos de demônios, ouçam Sua voz por nosso intermédio. Mediante Seus instrumentos humanos, Ele deseja ser um confortador, como o mundo jamais haja visto. Através de Seus seguidores devem ser transmitidas Suas palavras: “Não se turbe o vosso coração; credes em Deus, crede também em Mim.” João 14:1.

O Senhor operará por meio de cada alma que se entregue para ser trabalhada, não somente para pregar, mas para ministrar aos desesperados e inspirar a esperança nos corações que não a possuem. Devemos fazer nossa parte em aliviar e abrandar as penúrias da vida. As misérias e mistérios desta vida são tão obscuros e incompreensíveis como o eram há milhares de anos. Há para nós algumas coisas a fazer: “Levanta-te, resplandece, porque já vem a tua luz, e a glória do Senhor vai nascendo sobre ti.” Is 60:1. Há necessitados bem perto de nós; os sofredores estão mesmo ao nosso redor. Precisamos procurar ajudá-los. Pela graça de Cristo, as fontes seladas do trabalho fervente semelhante ao de Cristo devem ser liberadas. Na força dAquele que tem toda força, devemos trabalhar como nunca trabalhamos antes. – Manuscrito 65b, 1898.

WHITE, Ellen G. Por que a pobreza e o sofrimento?. Beneficiência Social, pág.16-22.

By | 2016-11-06T18:21:15+00:00 junho 2nd, 2014|blog| Comments